[Resenha] Orange is the new black - Piper Kierman

Livro: Orange is the new black
Autora: Piper Kierman
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 295
Classificação: 4/5

Minha Opinião:

Livros que ganharam adaptações para seriados viraram uma verdadeira febre. Em muitos casos, a obra homônima é apenas o ponto de partida para a criação do enredo, de modo que o diretor fica livre para modificar vários pontos da história, não se prendendo ao enredo original. É o que aconteceu com Orange is the new black, série exclusiva do canal Netflix, que tem atraído cada vez mais seguidores pelo mundo.
A obra autobiográfica que traz o relato de Piper Kerman sobre sua experiência vivida durante pouco mais de 1 ano no sistema presidiário dos EUA, difere em muito da série, mas nem por isso é menos interessante.
" Em minhas viagens, eu tinha encontrado todo tipo de gente cuja dignidade parecia ter um preço - bastante variável - e concluí que na vez seguinte trataria de determinar para a minha um preço mais alto do que qualquer um se dispusesse a pagar"
Aos 23 anos, tudo o que Piper Kierman queria após concluir sua faculdade, era viver novas experiências. Meio ao acaso ela conhece Nora, uma mulher interessante que está sempre viajando e esbanjando dinheiro, conquistado através do tráfico. Piper não só aceita viajar por vários países com Nora, como começa um relacionamento amoroso com a mesma. Convencida a levar uma maleta de dinheiro do tráfico para a Europa, após o serviço ela decide cortar relações com a namorada, e muda totalmente de vida.
Nesse meio tempo ela conhece Larry, com quem assume um noivado, e omite todos os problemas de seu passado. Porém, 10 anos após seu envolvimento com Nora, ela é condenada a quinze meses de detenção numa penitenciária feminina.

Minha curiosidade pelo livro surgiu a partir da série. Após assistir a primeira temporada de OITNB, sai fuçando tudo na internet para descobrir a verdadeira história de Piper. Foi quando soube sobre do lançamento do livro pela Editora Intrínseca.
Em quase 300 páginas, Piper nos proporciona uma viagem bem humorada e agradável pela prisão feminina de Danbury. Sua escrita é simples, mas transborda sinceridade e clareza.
O foco maior está na sua adaptação ao estilo de vida na prisão. Meu conhecimento sobre o sistema presidiário e o dia a dia dos prisioneiros era exclusivamente através da série OZ, e documentários brasileiros. Por este motivo, foi um tanto revelador acompanhar a jornada de Piper.
O período em que ela viveu com Nora ganha pouco destaque, mas esclarece tudo sobre o seu passado e as suas escolhas.

O diferencial de OITNB que o torna tão interessante, é que não há muitas histórias contadas pelo ponto de vista de uma mulher. Antes de ir para a prisão, Piper inclusive chegou a procurar regras de conduta em diversos manuais, mas não achou nada voltado para o sexo feminino.
Do racismo descarado, onde as prisioneiras eram agrupadas de acordo com sua raça (hispânicos, negros, brancos, asiáticos), até as críticas das prisões dos EUA, apontando as diversas falhas no sistema penal, como as burocracias do Departamento Federal de Prisões, e o comportamento inadequado dos guardas masculinos, Kierman relata sua dificuldade em se adaptar ao diferente estilo de vida.
"Qual o sentido, qual a razão para prender as pessoas durante anos, quando isso parece significar tão pouco, até mesmo para os carcereiros que seguram a chave em suas mãos? Como um preso pode achar que sua punição teve algum sentido para alguém, quando ela é aplicada de maneira tão impensada e indiferente?"

Apesar de ser bem diferente da série de TV, a essência ainda está lá. Na verdade, ambos são interessantes e se complementam. Não foi difícil assimilar os personagens da série aos do livro - mesmo que a maioria tivesse o nome diferente. A cozinheira russa, a transexual, a caipira Penssatucky e até mesmo a figuraça da Crazy Eyes, também estão presentes na obra, mesmo que seus dramas não sejam tão cômicos como é retratado na série.
Um fato bem curioso foi a respeito da expectativa das prisioneiras quanto a transferência de Martha Stewart (apresentadora e empresária que teve sua prisão decretada por envolvimento com fraude) para Danbury, o que no fim acabou não acontecendo.

OITNB é um relato corajoso que traz à tona os problemas penitenciários, como a superlotação, e a falta de programas que tratem da reintegração dos presos na sociedade. Kierman também atenta para o fato da necessidade da criação de penas alternativas para certos tipos de crimes, o que ajudaria a resolver os problemas de superlotação.

10 comentários:

  1. Oi Jacque.
    Tenho visto muito a capa deste livro, mas não sabia do que se tratava e tbm não conhecia a série de tv. Pelo que vc diz parece ser bom o livro, me deu vontade de assistir ao seriado!

    Beijos*

    ResponderExcluir
  2. Fiquei interessada no livro quando fui à Turnê Intrínseca, achei legal ser a experiência da autora.
    Acho que as séries têm o problema contrário dos filmes em relação à adaptação. Enquanto estes precisam suprimir cenas pra caber na duração adequada, aqueças inventam coisas pra encher e render a temporada.
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
  3. cara eu vou dar uma olhada no seriado hj vai q eu gsto.
    agora nem sabia que tinha livro D:

    Seguindo o Coelho Branco

    ResponderExcluir
  4. Oie Jacque =)

    Como ainda não assisti a série, confesso que ainda não tenho interesse em ler o livro. Na verdade eu acho que esse caminho inverso muito mais "perigoso" do que adaptar um filme ou série de um livro. Série sempre tem um ritmo mais rápido em que normalmente apenas o "necessário" é mostrado. Em livros o autor pode correr o risco de colocar detalhes desnecessários e acabar com a história. Enfim ... depois de colocar PLL e GOT em dia vou dar uma chance a essa série e ver se eu curto ^^

    Beijos e uma ótima semana;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ei, Jac.
    Eu confesso que não tenho interesse em ver a série, não faz meu estilo. Logo, não me interessei pelo livro. Mas sei que muita gente gosta, só não faz meu estilo.
    Beijos.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Também amei esse livro!
    Kerman é uma mulher incrível!
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  8. Ainda não assisti a série, sei lá, ela ainda não me fisgou, mas não digo que não assistirei, ela tem sido muito bem falada nas redes.
    Quando ao livro fiquei muito mais curiosa e interessada. Sua resenha me deixou com bastante vontade de ler, saber sobre a personagem. O assunto é sério, a vida das presidiárias é sempre uma incógnita, quero o livro.
    Beijos
    Viviane
    Razão e Resenhas

    http://vivianeblood.blogspot.com.br/2014/06/resenha-querida-sue-jessica-brockmole.html#comment-form

    ResponderExcluir
  9. Olá Jacqueline,

    Acho que essa é a segunda resenha que leio dessa série e ambas positivas, fiquei bem curioso...gosto do assunto...boa dica...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Jacque, eu estou super, hiper, mega, blaster curiosa para ler esse livro e assistir a série! Acho que não tem desculpa, vou passar na Saraiva sábado e comprar, sua resenha me deixou com água na boca!

    Beijocas ♥
    http://des-construindooverbo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar.Será muito bom saber o que você pensa...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...